Há erros na exibição desta página. Habilite JavaScript ou consulte a ajuda de seu navegador para visualizá-la corretamente.

Como calcular o BDI da obra? Entenda, veja fórmulas e experimente um guia de cálculo interativo!

Atualizado em 28 de dez. de 2019 16:45

Para tornar o orçamento mais comercial, você precisa incluir gastos com impostos, imprevistos, financiamentos e lucro. O BDI é o elemento chave que te permitirá realizar essa tarefa e aqui você pode conferir fórmulas e calculá-lo online com nosso guia passo a passo. Confira!

Depois de ter relacionado todos os custos dos serviços que constam no orçamento da obra, o orçamentista logo se vê diante de um grupo de custos que não aparece diretamente no projeto: os benefícios e despesas indiretas - ou BDI. Mas o que são esses benefícios? É só um nome complexo para se referir ao lucro? Uma terminologia que é só teoria e nada de prática? Vamos ajudar com as respostas e, ainda, apresentar o Construa seu BDI, nossa experiência interativa para determinar o BDI online!

De uma maneira bem clara e prática, o BDI é um multiplicador utilizado para majorar o custo direto de uma edificação, obtendo um preço de venda para a mesma, de modo a evitar que o lucro pretendido pelos construtores seja drenado com despesas que não apareceram no orçamento. Por exemplo, você pode ganhar 10 mil com a construção de uma obra, mas se ainda falta pagar impostos, despesas com o escritório e até algumas despesas com atrasos, você precisará usar esses 10 mil para pagar essas despesas e, então, seu lucro acaba sendo menor do que o esperado.

BDI não é apenas lucro, mas sim uma combinação de diversas variáveis - incluindo o lucro - que visam permitir que a construção de uma obra valha a pena, sem trazer prejuízos aos construtores.

É claro que o uso do BDI precisa ser técnico. Não adianta muito fixar um valor para o BDI na base do chute. Dessa maneira, seria mais provável que você chutasse ou um valor menor ou um maior do que o adequado, fazendo com que o preço de venda final não fosse competitivo ou pra você ou para o seu cliente. Além disso, um BDI tecnicamente calculado proporciona maior transparência e confiança, auxiliando você a conquistar mais contratos. E para ser técnico não é tão difícil: basta conhecer os elementos que compõe o BDI, como mostra a figura a seguir.

Elementos que compõe o BDI - Benefícios e Despesas Indiretas. É fácil perceber que BDI não é apenas lucro, mas sim uma combinação de diversas variáveis - incluindo o lucro - que visam permitir que a construção de uma obra valha a pena, sem trazer prejuízos aos construtores.

Para simplificar...

O BDI é um termo que proteje o construtor de prejuízos. Infelizmente, ele acaba sendo desprezado, às vezes, por ser mal compreendido. E talvez um texto não seja o bastante para entender o assunto. Então, nós, do Monttante, resolvemos transformar esse entendimento numa experiência exclusiva criando o Construa seu BDI, uma sequência de páginas interativas que vai te guiar, etapa por etapa, na composição dos seus benefícios e despesas indiretas. Nele, nós mostramos conceitos, dicas rápidas e as faixas de valores recomendados para cada parâmetro envolvido no cálculo. Assim fica rápido e agradável calcular o BDI online! E, no final, você ainda pode baixar um memorial de cálculo com as informações que você forneceu, imprimir e levá-lo com você. Tente agora: é gratuito e livre! É só clicar e acessar!

Custo direto e custo indireto: qual a diferença entre eles?

Dois conceitos importantes para o entendimento do BDI são custo direto e custo indireto. Como diferenciar cada um deles? É possível resumir isso em dois tópicos simples:

  • Custo direto: trata-se do custo diretamente relacionado a uma obra. Ele é identificado na obra e pode ser um material, mão de obra ou equipamento, por exemplo. O custo direto varia proporcionalmente com o que for produzido na obra. Por exemplo: a quantidade de concreto é um custo direto, porque para uma obra pequena será necessário menos concreto e para uma obra maior, mais concreto! Nós oferecemos, inclusive, um modelo de orçamento com custos diretos recorrentes em orçamentos de residências. Faça o download e confira.
  • Custo indireto: representa o custo que não incide diretamente sobre a obra. Ele não pode ser identificado como algo que faz parte da obra, mas acaba sendo influenciado por ela. Um vigia para a obra, por exemplo, é um tipo de custo indireto. Não se trata de um custo que varia proporcionalmente com a construção. Para duas obras de tamanhos diferentes, por exemplo, um único vigia pode (ou não) ser o suficiente (o mesmo não aconteceria com o concreto, que varia a sua quantidade conforme o tamanho da construção).

Obs.: pode ser supérfluo discutir se um custo é direto ou indireto. O mais importante é que nenhum custo deixe de ser computado no orçamento da obra. Então, se houver confusão com esses custos, uma saída é o seguinte raciocínio: se um custo não foi considerado como direto, ele deve ser incluído no custo indireto e vice versa.

Complementando o orçamento com custos acessórios

No exemplo anterior, um vigia pode não ser necessário em algumas obras. Mas, há um grupo de custos que costuma aparecer na maioria dos orçamentos de obras, independentemente do tipo de obra: os custos acessórios. Essa é uma terminologia atribuída por algumas literaturas para se referir a custos que complementam o orçamento de uma obra (expressos como percentuais incluídos no valor do BDI), a saber:

  • Custos com administração central: representam despesas com o escritório central da empresa que for executar a obra orçada. Veja: se uma construtora possui um escritório central, uma sede, ela vai precisar pagar aluguel, salários dos recepcionistas, água, luz, telefone, dentre outros. E para pagar essa conta, ela precisa recorrer à sua principal atividade lucrativa: as obras. É por isso que uma boa prática é dividir para cada obra executada pela mesma empresa o custo total com a sede da mesma, o chamado rateio da administração central.
  • Custos com imprevistos e contingências: são custos que cobrem despesas com eventos sobre os quais não se tem controle. Por exemplo, pode chover, aumentar a inflação, haver uma disputa trabalhista envolvendo uma empresa e um de seus empregados, desmoronar um muro de arrimo da obra, haver um ataque de vândalos, dentre tantos outros eventos que não se pode prever. Para cobrir esses custos, um percentual é incluído no valor do BDI.
  • Custo financeiro: são custos destinados a financiar a obra. Acontece frequentemente com construtoras, que precisam utilizar seu próprio capital para construir cada etapa da obra para só depois receber. Para financiar essa construção etapa por etapa, utiliza-se mais um percentual incluído no BDI.

Com o Monttante, você tem um software para orçamentos de obras preparado para poupar seu tempo! Faça um teste grátis e começe agora! Basta preencher os campos seguintes:

Ocupação:
Você tem ou faz parte de:

E as despesas tributárias? E o lucro?

Bem lembrado! O lucro é a parte dos benefícios, na sigla Benefícios e Despesas Indiretas. E é uma variável que depende apenas de quem vai construir. Ou seja, é o construtor quem decide que lucro quer obter! Ele é determinado como um percentual incidente sobre o preço de venda. Ao definir o lucro, é importante não confundir o lucro da obra com o lucro da empresa. É melhor buscar um valor competitivo no mercado da região de implantação da obra e que atenda às necessidades de quem vai construir.

Em relação aos tributos, despesas com impostos podem onerar bastante a construção de um empreendimento. É importante considerá-las para que o lucro não seja comprometido. Vale destacar que há diversos impostos, em âmbitos federal, estadual e municipal. Os principais são:

  • COFINS (Federal): 3,0%;
  • PIS (Federal): 0,65%;
  • ISS (Municipal): 5,0%;
  • IRPJ (Federal): 1,2%;
  • CSLL (Federal): 1,08%.

Os impostos incidem sobre o preço de venda e não sobre o custo direto. Isso é importante porque não basta apenas somar lucro e impostos com custos diretos e obter um preço de venda. O resultado será errado - sim, errado, porque vai fornecer um valor de preço de venda menor do que o necessário, ou seja, trará prejuízo. Qual a maneira correta de calcular o BDI, então? E quais faixas de percentuais são comuns a cada um dos custos envolvidos?

Como calcular o BDI? E como utilizá-lo?

Para calcular o BDI, é importante considerar que:

  • Custos indiretos, quando não são fornecidos em um valor absoluto, compõem um percentual em relação aos custos diretos;
  • Custos acessórios compõem um percentual em relação aos custos diretos mais indiretos;
  • Lucro e impostos compõem um percentual em relação ao preço de venda.

Assim, podemos chegar à fórmulas que permitem calcular o BDI. Você pode calcular o preço de venda e obter o BDI com ele ou calcular diretamente o BDI com uma fórmula apropriada utilizando valores definidos para cada uma das variáveis acima (mostramos como você pode obter esses valores adiante). É claro que existem várias fórmulas para o BDI. Basicamente, elas partem de um quociente entre todos os custos envolvidos na obra e as incidências sobre o montante de faturamento da mesma. A referência seguinte contém as mais de uso mais frequente:

Fórmulas do BDI e do preço de venda. Utilize essa referência para majorar o custo direto dos serviços do orçamento de obras e preparar a execução da construção.

Observe que, em algumas fórmulas, devem ser utilizados os percentuais de cada variável, enquanto em outras os valores absolutos.

Ainda em relação aos percentuais e valores, é possível relacionar em uma planilha todos os custos para se chegar a valores absolutos para administração central e custo financeiro, por exemplo. Porém, há ainda algumas variáveis, como os imprevistos, que precisam ser estimados com percentuais. Se você precisa de uma faixa de percentuais recomendados para definir cada elemento que constitui o BDI, o Construa seu BDI pode te ajudar de uma forma autoexplicativa. Tente!

Depois de utilizar as fórmulas do BDI e do preço de venda, o que fazer, então, com os resultados obtidos? Bom, aí é chegada a hora de majorar o custo de cada serviço do orçamento do custo direto, transformando custo em preço. Assim como acontece nas lojas, em que há o custo de fábrica e o preço da venda, nas obras há o custo para se executar cada serviço e o preço para comprá-los. A diferença entre um e outro é exatamente o valor do BDI, que você, como construtor, inclui para cobrir todos os custos que listamos anteriormente e que não aparecem no orçamento dos custos diretos.

Então, para majorar os custos diretos de serviços, você precisará multiplicar o valor de cada serviço por (1 + o seu BDI). Por exemplo, se o BDI calculado para a construção foi 37,5%, o preço de um serviço orçado em R$ 100,00 será 100,00 x (1 + 0,375) = R$ 137,50. Isso representa a diluição do valor do BDI em cada serviço e, portanto, todos os serviços do custo direto devem ser majorados.

Finalizando o orçamento da construção

Depois de obter o preço de venda e majorar cada serviço do orçamento de obras, é bem provável que seu trabalho de orçamentista esteja completo, já que obter o preço de venda é uma tarefa que vem ao final do processo de orçamentação. Aí, basta fechar o contrato e iniciar a obra!

Por isso, se calcular o seu BDI for a única tarefa que falta para finalizar o orçamento, lembre-se de todas as variáveis que compõe o BDI e não deixe de tentar usar o Construa seu BDI para obter uma experiência de cálculo de BDI online, fácil, interativa e com memória de cálculo no final! Até lá!

Percebeu algum erro ou gostaria de sugerir mudanças nesta publicação? Envie seu feedback

Monttante é seu novo software para orçamentos de obras. Experimente já.

Ver preços e planos